Aguarde...
Primeira Página
Agenda da Semana
Avisos ao Mercado
Linha direta com a Win
Colunistas
Alexsandro Nishimura
Bastter
Bruno Gonçalves
Choung Wei Su
Fábio Portela
Felipe Miranda
Filipe Villegas
Igor Graminhani
Nanna Pretto
Rogério Favalli
Relatórios Análise Gráfica
Fique de Olho
Long & Short
Radar Win
Rastreador de Figuras Gráficas
Semanal de Trades
Trades Recomendados
WinPoints
Relatórios Fundamentalistas
Balança Comercial
Contratos em Aberto
Monitor de Ofertas
Morning Call
Participação Relevante
Pesquisa Mensal do Comércio
Proventos
primeira pÁgina
NY: Ouro fecha em alta com aversão ao risco nos mercados
Ex e atual presidentes da Petrobras falarão na Câmara sobre Pasadena
Produção industrial sobe para 48,8 pontos em março (48,3 em fevereiro)
Metais básicos fecham em direções divergentes após indicadores da China e dos EUA
No pico, inflação em 12 meses pode passar de 6,5%, mas terminará ano dentro do limite
Fluxo cambial total está positivo em US$ 3,375 bilhões em abril até dia 17
Primeira Página Envie para um amigo Versão para impressão
06/05/2011 19h02
Banco do Brasil no mundo
Por: Laura de Araújo
Tamanho da fonte

O nome já diz tudo: o banco é do Brasil. Mas isso não impede que, para alcançar os clientes que vivem no exterior, ele estenda suas ações para além do território nacional. O Banco do Brasil avançou mais uma casa em sua internacionalização quando anunciou a compra do EuroBank por US$ 6 milhões. O banco fica na Califórnia, onde tem três agências e atende a clientes americanos, portugueses, hispânicos e brasileiros. O patrimônio líquido da instituição, segundo divulgado em dezembro do ano passado, era de US$ 5, 5 milhões, e seus ativos contabilizavam US$ 102 milhões.

A decisão do Banco do Brasil está alinhada com a política internacional do Governo, que trabalha com a projeção do Brasil no mercado para além de nossas fronteiras, segundo Eduardo Armando, especialista em internacionalização de empresas da Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (FECAP).  “O Brasil era, até pouco tempo, mais fechado, mas a tendência atual é de abertura. E as consequências são positivas, porque os executivos começam a ter mais referências em termos de competição e empenho”, avalia.

Outro indício dessa política foi o anúncio de que o Banco do Brasil deve transformar seu escritório de representação na China na sua primeira agência naquele país. “A China é a grande economia emergente do mundo, e, dentro da política externa comercial brasileira, está subindo de patamar. Hoje o nosso saldo comercial com a China é o maior, então é o caminho natural estar lá, faz todo o sentido que a primeira viagem internacional da nossa presidente tenha sido para lá”, avalia Armando.

“O capital é um agente internacional, então é natural que um banco da envergadura do Banco do Brasil tenha operações no exterior. Um banco que tem um papel tão importante no mercado doméstico já mostrou que pode ser um player muito importante no mercado externo”, afirma Olavo Henrique Furtado, professor de Comércio Exterior da Trevisan Escola de Negócios.

Mercado avalia a compra de forma positiva


Segundo o analista de mercado José Góes, o mercado tem boas perspectivas quanto à aquisição do EuroBank e no processo de internacionalização do Banco do Brasil. “O banco vai ficar mais forte, agora que começou a crescer para outros países. A expectativa é positiva para os resultados, a partir do momento em que isso for consolidado”, afirma.

Ele lembra, no entanto, as dúvidas de solidez que o mercado americano desperta. “Tem que se ter uma atenção extra, porque tem muitos bancos endividados. Então tem que estudar a fundo, olhar balanços, fazer uma boa auditoria para ter certeza de que não se está comprando um ativo podre”.

Mesmo com o mercado dividido entre a internacionalização do banco, que deve refletir em um aumento de receita e aumento de visibilidade internacional da empresa, e os riscos de fazer parte de um mercado ainda com as feridas da crise, Góes afirma que os ativos do BB apresentaram uma variação positiva desde o anúncio da compra do EuroBank – o que mostra certa predominância do otimismo nos investidores.

Mas os efeitos reais da operação e sua verdadeira influência nos ativos do banco não devem ocorrer imediatamente. “Houve certa variação positiva, mas foi um resultado mais do movimento de expansão, porque ainda é difícil avaliar com precisão. Os efeitos nas ações e nas contas da empresa devem aparecer em um prazo mais dilatado, quando se tiver avaliado melhor o impacto financeiro desse investimento”, comenta o analista. 

BB vai onde está o dinheiro, e o leva onde precisa chegar


A expansão do Banco do Brasil para outros países também é vista como natural por Armando. “Qualquer banco tende a ir onde estão os clientes. E a gente tem visto uma maior internacionalização de empresas brasileiras, então é natural que o Banco do Brasil esteja alinhado a essa internacionalização dos seus clientes”, avalia. Segundo o professor, a escolha reflete a intenção de atender plenamente aos brasileiros que vivem nos EUA, com sistema e operações seguras. “Ter só um escritório em Nova York era pouco para a expressão da comunidade brasileira naquele país, então nada mais plausível que comprar um banco nacional, com condições plenas de operar no mercado americano. E eles começaram por um banco na Flórida, onde existe uma grande comunidade brasileira”.

Os especialistas afirmam que, além de alcançar clientes fora do Brasil, a operação também deve dar uma força para os brasileiros que querem expandir os negócios para o exterior. “O Banco tem um papel importante na exportação, e tende a ajudar o brasileiro que queira se inserir internacionalmente”, assinala Armando. “O BB sempre foi a grande alavanca de negócios para as empresas brasileiras, o banco dos negócios internacionais. Vai ser uma boa rede de apoio para o médio empreendedor que queira colocar seus produtos no exterior”, concorda Furtado.

Ele diz, ainda, que a operação não está sendo feita de forma impensada, o que abranda os riscos. “Toda e qualquer operação implica em riscos, mas como o BB é um banco capitalizado, com forte lastro, os riscos são reduzidos. É uma expansão que está sendo bem estudada e bem conduzida, dentro da política econômica brasileira”, explica.

Eduardo Armando confirma a solidez da ação do Banco do Brasil, mas lembra que as marcas deixadas pela crise de 2008 na economia americana merecem atenção. “O regulatório do sistema bancário americano ainda está em adaptação para que problemas eclodidos com a crise sejam evitados. Mas como o sistema ainda não está centralizado, não há total segurança”, alerta o professor.

Histórico de notícias
» 10/12/2013 Conheça as ações TOP 10 de rentabilidade do índice Bovespa em 2013!
» 12/11/2013 Vale pede mais China e mais eficiência
» 5/11/2013 Magazine Luiza: em busca da consolidação
» 31/10/2013 Novos desafios para a Klabin
» 22/10/2013 Top 5: perspectivas para as ações mais líquidas da Bolsa
Veja todo o histórico de notícias
Acompanhe tudo o que rola de novo na WinTrade.
Gostou? Divida essa experiência com seus amigos.
Sua opinião é muito importante! Diga o que achou da página da WinTrade e dê sugestões.
Avalie esta página
X
Gostaríamos de ouvir seus comentários. Qual sua opinião sobre esta página?

Ótima
Boa
Regular
Ruim
Comentário: Enviar